Translation

domingo, 22 de maio de 2016

Eduardo Bastos. Um encontro com os invisíveis urbanos


Este material foi publicado em O Dia/Campus




Eduardo é professor universitário, arquiteto e artista plástico

Uma pequena reflexão

Eduardo Bastos

Hoje, 21 de abril, feriado, resolvi ir ao centro "histórico" de Maceió (comércio), fazer uns sketches. Depois de perambular por casarões "trombados" e ruas fedendo a urina, passei por um morador de rua e cadeirante. O homem estava dormindo, mas percebi uma tigela ao seu lado com dois pedaços de bolo, possivelmente alguma "alma solidária" tinha deixado ali para seu desejum.
Fui até a esquina e depois voltei. Vi que do lado oposto ao homem que dormia, havia um edifício antigo que poderia ser um bom modelo para o desenho. Comecei a montar meu cavalete - um tripé de máquina fotográfica ao qual adaptei uma prancha. 

Quando ia começar o desenho, observei que o homem tinha acordado, fingi que não o percebi e comecei a observa-lo de soslaio. Ele começou a comer o bolo e no mesmo instante, senti a necessidade de mudar meu tema. Comecei a desenhá-lo rapidamente, tentando fazer com que ele não percebesse. Em vão, ele olhou para mim e me desejou um bom dia e perguntou o que eu estava fazendo ali. 

Eu também desejei a ele um bom dia, falei que estava ali para desenhar os casarões do centro e perguntei se podia desenhá-lo. O José Cícero, foi de uma simpatia e cordialidade para comigo e fez até uma pose. Pedi que terminasse de comer, aí ele ofereceu um pedaço de bolo e um sorriso e fez um sinal de "legal", com o polegar para cima. Parecia que a felicidade para o José Cícero, era aquele momento: Um pedaço de bolo para satisfazer a fome e alguém para conversar. 

Tentei ser o mais rápido possível, para não cansar meu "modelo". Depois de alguma conversa, despedi-me e ofereci a ele o pouco dinheiro que tinha, disse que era o pagamento por ter feito uma pose para mim, falei que na Europa, os modelos ganham muito para pousarem nus, ele sorriu muito e agradeceu. 

Saí dali contemplativo, vi um ser humano que apesar de todas as dificuldades que a vida havia lhe imposto, tinha uma dignidade no olhar e no sorriso. Vou deixar esse desenho sempre próximo, para quando passar pelas turbulências dessa vida, lembrar-me do sorriso e da paz do José Cícero.

Um pedido ao amigo que folheia este jornal

      Luiz Sávio de Almeida



Quem conhece Eduardo sabe de sua sensibilidade e de seu modo de sentir o chamado da arte pelos monumentos, paisagens, prédios.  Poucos conhecem a sua sensibilidade para o humano e a sua generosidade para com os outros. Ele está pleno no pequeno texto onde encontra o outro e o guarda como exercício de sua humanidade. Uma beleza de relação, com a obra de arte sendo a mediação do humano.  Estamos diante de uma lição, com a arte sendo uma forma exemplar para estar com o diferente. No caso, com outro que se transforma em espetáculo pelo incansável da demonstração da  miséria. Um homem perdido no dia da cidade e sua cadeira de rodas.

São muitos os que estão flutuando nas ruas; o cotidiano é polvilhado pelos humilhados e ofendidos, por aqueles que parecem ter sido deserdados pela sorte, pela fortuna, pelo implacável do mundo que abstrai a vida de quem é empobrecido. Não seria por acaso que ele escolheria este tema: os invisíveis. É que o drama humano chama por seus olhos, justamente as janelas do coração. E ele nos consegue trazer aquele que sofre, aquele humilhado, aquele ofendido.

Pensei em uma forma de estarmos com os pobres que Eduardo nos trouxe. Cada um coloque a legenda abaixo do trabalho dele que publicamos. Será bom, dialogar com a   vida e nos vermos pensando no outro.


 POR FAVOR
ESCREVA SOBRE
CADA UM DOS DESENHOS
NOS
COMENTÁRIOS












Adicionar legenda











4 comentários:

  1. Professor Sávio, aqui é o Luiz Carlos Morgado, trabalhei para o sr. digitando documentos. Foi meu primeiro emprego. Saudades do Senhor e Dona Mirian. Uma lição que aprendi com o homem Sávio de Almeida, é que a grandeza de um pessoa não está no quanto ele acumula de conhecimento, o que para maioria das pessoas ela se torna grande por isso, mas que o conhecimento que ele tinha alcançado o tornava humilde o que para maioria isso é pequinez. Sua humildade é admirável, sua gentileza e da sua esposa. Amo as lembranças que tenho dos momentos que convivi com o senhor.

    ResponderExcluir
  2. Belíssimas as obras! Faz-me refletir no quanto temos é pouco fazemos para minimizar a desventura de nossos semelhantes. E pensar que há muitos que acreditam que não são responsáveis por essas situações. Se fôssemos mais empáticos com nossos semelhantes, situações assim não se tornariam obras de arte.

    ResponderExcluir
  3. Eduardo Bastos é um fenômeno. Não são desenhos, é a própria alma de cada personagem que se expressa. Parabéns, meu querido professor.

    ResponderExcluir