Translation

domingo, 15 de janeiro de 2017

Conversa de Bar. Uma poesia de rua e safadinha

Era menino em Penedo; fui criado solto na rua. Aprendi uma poesa meia safada e depois a enconrrei em jornal da década de 70 do século XIX.
Quer ouvir? Clique

NOIS SEMO AS BRABUETA DAS ASA preta E DO OIO azu

Esta é uma jornada de pastoril que, não sei se de safadeza, era dito em Natal que se cantava em um pastoril num pequeno povoado que ficava logo depois da ponte. Acho extraordinário, pelo desrespeito ao senso dos Noels na França, numa espécie de pastoril militante. Vale a pena ouvir nesta negação ás Oropa e afirmação de uma nova jornada, possivelmente vinda da boemia natalense d'antanho.


Conversa de Bar. Mulé num beba do vinho. Conversa de circo.

 Gosto de circo; mas gosto mesmo. Pode ser grande, pequeno, queira Deus que não chova, gosto dele e tenho uma  ligação sentimental com o Circo Nerino O Nerino e o Garcia rivalizavam. O Nerino passou uma grande temporada sem sair de Penedo e fiz amizades. Bons tempos. A conversinha de hoje fala nele. Um abraço

CLIQUE AQUI SE DESEJA OUVIR
https://youtu.be/5ogQXRKbA1g




sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

História do Teatro Alagoano: A FIGURA DE Bráulio Leite Júnior







Uma homenagem a Bráulio Leite Júnior (I)

Quem é quem
Este  número de Campus é fruto do trabalho de Duce Pontes, filha do Bráulio e da Edna.
Dois dedos de prosa
Sem dúvida, Bráulio Leite Júnior foi um dos mais importantes alagoanos durante o correr de todo o século XX. Homem simples, honesto, inteligente teve uma vida digna ao lado de sua família.  Fomos íntimos amigos. Certo ou errado (também, como qualquer um, ele  errava) jamais deixou de ter coragem para defender suas posições e sempre na vida jogou limpo, jogou de frente.
Ele não precisa de homenagem, mas o reconhecimento permanente, sem dúvida, nós devemos dar.
Este suplemento foi realizado pela diligência de sua filha Duce Pontes e através dela quero abraçar a Edna.
As crônicas reproduzidas foram retiradas do seu livro Algumas crônicas escolhidas, publicado em Maceió no ano de 2005.
Vamos ler.
Sávio


I - Bráulio, uma grande figura e um grande amigo
Luiz Sávio de Almeida

         Bráulio Leite Júnior foi um dos meus grandes amigos; não éramos de viver encangados, mas era daquela amizade em  que o espaço e o tempo não incomodavam e quando nos víamos, tudo fluía como se nada tivesse mudado. Sabíamos do outro o que bem desejássemos e nos abríamos sem qualquer escondido, quando desejávamos desabafar a vida. Não foram poucas as vezes em que ficamos os dois, três, quatro horas falando.
         Tivemos algumas aventuras juntos e lembraria de muitas, mas no momento, bateu uma na cabeça.  O Teatro Deodoro tinha uma divisão diferente: o gabinete dele, ficava do lado esquerdo, onde hoje fica a bilheteria, Ele mandou me chamar e pediu para não sair do lado dele no gabinete.  Iria passar no palco, a famosa Liberdade, Liberdade dirigida pelo Flávio Rangel. O presidente do DCE da UFAL era Radjalma Cavalcante e o DCE havia intermediado a vinda do espetáculo.  E eles tiveram papel essencial; eu somente estou falando da parte do Bráulio, com a qual convivi dentro daquele gabinete simples mas limpo e preservado..
         Pauta reservada, anunciado e de repente chega a ordem: o espetáculo não poderia ser apresentado.  É quando Bráulio manda me chamar e nos trancamos e vi a firmeza como, depois de telefonemas sucessivos, aquela figura humana imensa, dizia que jamais faria isto, que a pauta havia sido dada e era sagrada. Foram cinco a dez telefonemas e a expectativa era grande. No silêncio que ficamos depois de um período mais conturbado, talvez pelo nervoso do quadro, começamos a rir e a hora do espetáculo chegando. O que poderia acontecer? Jamais a ordem para cancelar o espetáculo partiria do Teatro Deodoro.
       
  A quebra de braço continuava; em nenhum momento Bráulio abriu  mão. E foi e foi e o Deodoro ficou aberto. Tudo resolvido. Ele me pergunta para onde eu iria. Disse que ver o espetáculo. E  ele me pediu: quando terminar passe aqui. Pois bem, vi o espetáculo e passei no Gabinete. Saímos para jantar: o Flávio, o Bráulio e eu. Acho que ainda era o tempo da Churrascaria Galo de Campina. O papo não parava e lá pelas três da manhã o garçom dormiu. Flávio Rangel foi lá e deixou um bilhete: “Jacaré que dorme no ponto, quando acorda é carteirinha!”.
O do Bráulio dizia para não se preocupar: iríamos pagar no outro dia e de safadeza deixou meu telefone. Fomos pagar e com isto, demos por fim o dossiê Liberdade, Liberdade no Teatro Deodoro.  Um homem profundamente emocional teve uma paciência imensa e não arredou o pé do lugar.
Esta é uma das que vivi com Bráulio Leite Júnior, vi e partilhei inúmeros sonhos do Bráulio. Ele queria sempre uma Alagoas boa,  e, embora pareça exagerado, não fosse ele, o Teatro Deodoro talvez não existisse.  Foi ele quem construiu o Teatro de Arena, quem estruturou a Fundação Teatro Deodoro, quem inventou de  fazer e fez o Museu da Imagem e do Som. Foi ele quem deu vida a Os Dyionisios. Criou muita coisa.
Pois este homem, aos 81 anos de idade, sem pedir permissão à cidade e aos amigos, faleceu e com toda a certeza, deixou-me com uma permanente saudade. Sei que levou muitas aventuras e muitos passos de vida comigo. Era turrão e não escolhia palavra. Nunca brigamos, nunca discutimos, nunca aconteceu a mínima farpa.
Tem dia Bráulio  que lembro de você e começo a sorrir. Lembra de quando a gernte vendia máquina de lavar roupa, que se telefonava para hotéis e restaurantes oferecendo uma máquina já esqueci a marca inventada?  Era Brascheta... E se explicava as maravilhas que ela fazia? Tou morrendo de rir agora. Pois é: os grandes heróis como você foi, não esquecem do menino que foram. Muitos hotéis ficaram sem a miraculosa Beascheta.
Eu escrevi estas linhas com o coração. Poderia ter escrito de outra maneira, algo formal e intelectualizado. No entanto, jamais conseguiria, pois o grande apelo do Bráulio para mim, é a recordação da amizade que sustentamos e ela foi isso: alegria, cumplicidade e extrema confiança pessoal. E isto para mim é um orgulho, pois considero Bráulio a grande figura do teatro de Alagoas no século passado. É mentira que Bráulio esteja esquecido; isto jamais acontecerá, o tempo e as evidências sempre estarão lembrando o seu nome.
Prefeitura de Maceió! Que tal um bronze do Bráulio, olhando para o porto como gostava de ficar ou da Praça Deodoro olhando os dois teatros: um que ele construiu e outro que perseverou em manter e conservar? Claro que outros fizeram isto: conservar. Mas Bráulio foi uma vida inteira. Marechal Deodoro precisa de companhia naquela praça, que é uma das  desditas urbanas de Maceió.
Que tal uma placa na entrada da rua onde ele morou, Prefeitura? Coisa assim:
Como esta rua é minha
Mandei ladrilhar
Com pedrinha de brilhantes
Para o Bráulio Leite Júnior passar!
Cidade de Maceió.

II -  MISTICISMO DE BRÁULIO LEITE JÚNIOR
NOTA: Este material foi publicado em o Jornal de Hoje na coluna Opinião

Sempre tivemos, neste jornal, palavras de elogio e simpatia para as iniciativas do Teatrólogo Bráulio Leite Júnior, não só pelo seu espírito público, pelos sentimentos de alagoanidade sempre demonstrados na defesa e exaltação das boas coisas de sua terra, mas, sobretudo, pela sensibilidade com que dirige a Funted e zela pelo patrimônio maior da cultura de Alagoas, que é o Teatro Deodoro.
Se podermos perfilar, numa linha de frente, os homens que fazem a grandeza de nosso Estado, pelo trabalho honesto, criterioso e até desprendido no campo de suas atividades, naturalmente que Bráulio Leite Júnior formaria nos primeiros lugares, tal a operosidade de seus misteres, muitas vezes mais criativos do que técnicos, mas inteligentes do que esquematizadores. Homem de agilidade mental surpreendente, não dispensa o calor humano aos seus empreendimentos, empolgando, contagiando e cativando a todos nós pelo poder de convencimento, pela mobilização que faz em favor de suas iniciativas, pela persistência com que sabe lutar pelos seus ideais.
O Teatro Deodoro, nos dias de hoje, é uma casa de espetáculos que voltou aos seus esplendores de outrora, restaurando seu ambiente anterior, tão deturpado pelas reformas apressadas e infelizes de governos que se sucederam no alterar-lhe o acervo original. O Museu da Imagem e do Som já se pode distinguir como o maior centro de documentarista do Nordeste, tal os depoimentos que tem gravado e o relicário de peças raras que pode reunir, principalmente fotografias e flagrantes da vida alagoana do passado, na política, na administração pública, na sociedade, nas letras, na música e nas artes plásticas. O Centro de Belas Artes até na sua localização tem o toque especial da sensibilidade artística e cultural de Bráulio Leite, instalado no antigo Seminário de Maceió, e sua contribuição à cultura alagoana tem sido das mais efetivas.
Queremos, no entanto, dar destaque especial à Orquestra Filarmônica da Funted. Seus espetáculos têm ido deslumbrantes, levando cultura musical ao povo, na praça pública, nos birros, nos estabelecimentos  de ensino, nos festivais do caráter artístico e de evocação histórica. Sofreu abalo sísmico da inveja humana, mas renasceu do quase nada para transformar-se, novamente, na maior orquestra e instrumentos de sopro e cordas de Alagoas. Em tudo isto está presente o misticismo e a devoção de Bráulio Leite Júnior, que faz as coisas como  um sacerdote no ritual de suas divindades, que são as obras que tem legado à inteligência e à cultura de Alagoas. Este é um depoimento que fazemos de um homem do presente, mas já de lugar assegurado no julgamento dos pôsteres. Fora de Alagoas seria um gênio. Aqui, diante de nossas limitações, é um homem comum, mas útil e indispensável para as grandes inspirações de Alagoas.

III – Algumas crônicas do Bráulio
O Cenarte que idealizei

Adicionar legenda
Nota 1 (LSA) – Este texto demonstra bem, o nível de engajamento de Bráulio, na  vida cultural de Alagoas. Não consta do livro, quando e onde foi publicada. Demonstra, também, o nível de polêmica que Bráulio acentuava em sua vida.
            Recebi com grata surpresa o expediente enviado pelo professor Francisco Oiticica Filho, atual diretor do Cenarte – Funted, acompanhado de cartaz alusivo aos “Cursos Especializados e Regulares para este 2º Semestre”. Digo grata, por saber que o Cenarte não morreu de todo, e está, parece-me, em boas mãos; digo surpresa, porque não sei como conseguem, professores e alunos conviverem e trabalharem, todos esses cursos , em espaço tão exíguo, colocado à disposição do Centro.
            Quando falei na situação inaceitável deste Cenarte de agora – que o diretor chama de “novo Cenarte” – tive a preocupação de ajudar a continuidade e preservação do antigo Centro de Belas Artes de Alagoas, como opção de estudos e conhecimentos para a comunidade. Afinal de contas, quando o criamos em 1982, tivemos esta intenção. Mas sabemos que, desde há muito, o “novo Cenarte” não vem merecendo a devida consideração e justo atendimento das suas necessidades. Não há espaço, não existem condições técnicas, não há o exigido material para o desenvolvimento dos trabalhos, não se pode estabelecer horários conciliáveis à realização das aulas, não são observadas as regras de acompanhamento de cada curso, não acontecem as reuniões indispensáveis à devida aferição de aproveitamento dos alunos e necessária reciclagem dos professores, enfim, toda uma série de providências que são imprescindíveis, mas que “as dificuldades de uma conjuntura nem sempre favorável”, permitem organizar. Principalmente se não se tem área compatível para trabalhar.
            No tempo do velho Cenarte, ao lado do vetusto Seminário Arquidiocesano, mantínhamos duas orquestras ativamente funcionando – uma de Câmara, sob a regência do maestro mexicano Armando Quezada (além do Conjunto “Quinteto de Metais”, sob a regência do maestro sergipano Antonio Guimarães); dois maravilhosos Corais, o infantil “As Andorinhas”, sob regência do maestro Nicholas G. Valle; Curso de Musicalização Infantil (p/ crianças acima de 6 anos) , Curso Livre de Música, Curso Profissionalizante de Música (com professores para instrumentos de sopro, corda e percussão) reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação; Escolinha de Arte (para crianças de 3 aos 6 anos), Curso Livre de Artes Plásticas; Curso Livre de Dança, “Baby Class” (crianças de 3 a 6 anos), Ballet Clássico, Ballet Moderno, “jazz”, Afro e Ginástica (alongamento e aeróbica); Curso Livre de Teatro (formação de Atores, Direção e Técnicos em Montagens), com participação do Grupo Teatral “Alfredo de Oliveira”, nas encenações de peças infantis e adultas. Além disso, Cursos Intensivos de Serigrafia, Cerâmica, Vidro e Decoração, tendo adquirido um forno elétrico para moldagens diversas. Possuíamos um corpo discente com mais de mil e duzentos alunos ( entre os quais 80 bolsistas distribuídos, após testes vocacionais, no Lar São Domingos, Lar das Meninas, Cruz Vermelha, funcionários da Funted e crianças carentes de um modo geral). Isto sem falar nos concertos semanais, ao ar livre, da Orquestra Filarmônica, apresentações de Corais, Mímica, aulas públicas de Dança e Exposições mensais dos trabalhos, produzidos pelos alunos, dos diversos cursos. Todos com entrada franca e presença maciça de público.
            Tínhamos renda que supria a manutenção do Centro e os contratos, em todas as áreas, de professores itinerantes, trazidos trimestralmente de São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Recife e até Buenos Aires. Era uma Instituição útil, arquitetonicamente linda, bem cuidada, bem servida de competentes e dedicados professores e funcionários, todos integrados no ideal de bem dotar a cidade do ensino regular das Artes, como aprimoramento cultural.
            Embrião, relevo agora, de um projeto acalentado durante anos, que objetivava a criação, a médio prazo, da Universidade de Artes do Nordeste, planejamento cultural, naquela época, já conhecido do Governo do Estado, da Arquidiocese Metropolitana (cujo novo Seminário seria construído , pelo Estado, no Tabuleiro do Martins), e algumas autoridades federais, vivamente interessadas na realização do que pretendíamos. Esta é a primeira vez que falo sobre o assunto, publicamente, tendo feito todos os contatos, sigilosamente, durante dois anos de entendimentos com os principais partícipes do projeto. E pensar que, depois que me aposentei a Funted perdeu a concessão contratual que tinha, para permanecer, com o Cenarte onde começamos, por falta de diálogo e posterior calote é simplesmente inacreditável e absurdo. Valendo acrescentar que o aluguel vigente, naquela época, era de apenas trezentos cruzeiros mensais!!!...
           
Mas não adianta, apenas, lamentar a falta de providências, para que, se não temos como remediar o irremediável? Agora, porém, que o Cenarte ocupa área diminuta, não podendo produzir como deveria, e seu diretor, que parece bem intencionado não vem, possivelmente, obtendo o essencial, é preciso que a sociedade e a imprensa ajudem a reabilitar o Cenarte, alertando as autoridades para o que está ocorrendo. É meu dever como pessoa ligada ao setor, e principalmente por ter sido o idealizador do órgão, fazer um apelo a Direção da Funted, a Secult e ao Governador do Estado, no sentido de que determine medidas e cuidados necessários ao normal funcionamento daquele Centro.
            Como desejo colaborar, e perguntar não ofende, que nos permitam a curiosa intromissão:
            - Por que não provocar, em conversa franca, uma análise do todos os problemas do corpo docente e discente, para assim formar uma corrente positiva em favor da Instituição?...
            -Por que não transferir a sede da Secretaria de Cultura para outro local ? Não seria uma solução?...
            Imagino que, talvez, seja mais fácil remover um “Comitê” ou um grupo de “ativistas culturais”, do que todo um exército de alunos, professores e funcionários do Cenarte...
            Ou não?
            E disponha professor.

Esses benfeitores anônimos

Nota 2  (LSA)  – É interessante ver os “escondidos” da história,  pessoas que passam e a gente nem sabe o que deram, o que fizeram e como foram importantes em determinado momento. Bráulio trouxe algumas.  Publicado originalmente em O Jornal, na edição de 05/09/1999

            Para se realizar um espetáculo teatral, todos sabem que é necessário antes de tudo que se tenha um texto, um intérprete e u espectador. Tudo seria fácil se somente assim fosse. Mas não é. A trilogia é a base, enquanto o que se esconde nos bastidores no fazer e refazer dos ensaios, na técnica da luz, som e cenários, na publicidade, no guarda-roupa e adereços, na direção artística e geral, é o roteiro do dia a dia da montagem do evento em suas múltiplas facetas. Mesmo assim não é tudo. Por trás de todo esse trabalho, que deve reunir “experts” em cada área, dando-lhes suporte e tranquilidade para executarem suas tarefas, estão os produtores, financiadores ou colaboradores indispensáveis na cobertura das despesas. Hospedagem e elencos, pagamento de direitos autorais, confecção de cartazes e ingressos, gravações, maquinistas, costureiras, folha de portaria, etc., etc. São  generosos personagens quase nunca nomeados, elogiados, ou anotados nos “releases” distribuídos com a imprensa ou sequer mencionados pelos críticos. Poucos e raros na verdade, mas são eles – caso de Maceió, que não alcançou o estagio profissional pleno – os “mecenas”, os incentivadores, os admiradores amigos do teatro que, espontaneamente ou quando solicitados, estão sempre prontos a ajudar comprando ingressos, assumindo despesas, determinando providencias financeiras.
           
 São deles que eu quero falar, homenagear, lembrar seus nomes, anônimos e importantes benfeitores do teatro e das outras artes que o grande público e a história não consegue nem registrar.
            No passado, segundo consta do livro Autores Alagoanos & Peças Teatrais, de autoria do Prof. Abelardo Duarte e editado pela Funted em 1980, dois nomes não podem ser esquecidos; Américo Rego e Américo Maia, que, mesmo sem fortunas, conseguiram trazer para o Teatro Deodoro companhias e artistas importantes, líricas e de operetas, afora as dramáticas.
            Depois. Manoel Cupertino, proprietário do Antigo Ponto Central e da Pensão Cupertino que tantos artistas hospedou e de quantos dispensou as diárias e refeições para ajudar a facilitar  vinda de novas Companhias a Maceió.
            Já no meu tempo, como diretor do Teatro Deodoro, contei sempre com a boa vontade, a colaboração, a fidalguia, de amigos e pessoas que compreendiam e desejavam ajudar-me a vencer as dificuldades e carências surgidas. Vezes era a montagem de uma peça quando recebia metros e metros de tecidos da fábrica da Saúde, do amigo Alberto Nogueira, outras vezes o pagamento do diretor contratado, vezes outras eram as despesas de hospedagem de companhias que não obtinham boas bilheterias e ficavam “encalhadas”, precisando prosseguir viagem. Quantas vezes, meu Deus, fui buscar auxílio financeiro junto ao Moinho Nordeste, dos amigos Lula Calheiros e Rivadávia Carnaúba, ou tomar dinheiro emprestado no “banco do Geraldo Mota”, para conseguir montar as peças com o Teatro universitário de Alagoas ou com os Dionysios... E vezes sem conta, solicitei o apoio e a colaboração dos industriais, e de Antônio Moreira, da Usina João de Deus, m Capela, para socorrer artistas muitos deles de renome nacional, que não obtinham boas rendas nos espetáculos e entravam em desespero.
            E me comove pensar que nunca procurei essas pessoas para que me negassem o que pretendia. A eles o teatro alagoano deve muito, pelos muito que fizeram em favor da cultura artística em nossa terra.
            Daí esta minha crônica de hoje, de necessário registro e gratidão a essas personalidades, construtores e realizadores de bens e úteis estágios da vida alagoana, sem o que a história das Artes nas Alagoas seria devidamente explícita nem estaria completa.

Cidade sem memória

Nota 3  (LSA) – A ligação de Bráulio com a cidade e a memória esta neste texto e como o Museu da Imagem e do Som seria um ponto de guarda desta memória.
            As cidades vão morrendo juntamente com os seus habitantes. Não são apenas os edifícios ou logradouros que somem ou são ocupados para dar lugar a outros, resumidos, mais novos e, quase sempre, impiedosamente menos belos. Enchem-se os cemitérios de nome, cruzes, mausoléus, todos querendo e teimando ser lembrado em lápides e jazigos perpétuos, cobertos de mármore e ornados de bronze. Tais cidades, como seus habitantes, vão também perdendo seus hábitos, costumes, tradições, modismos. Se não houver organismos e estudiosos vigilantes, a recolher suas fotos do passado, a registrar depoimentos pessoais das velhas gerações, a fixar mudanças urbanísticas, a catalogar aspectos da vida comunitária, dentro em breve a cidade vai ficando sem história, sem passado, ao tempo que o seu presente se dilui, se esvai, se modifica sem um registro sequer. O mesmo acontece com as pessoas que olvidam o passado de suas vidas, como se fossem vítimas da perda de memória, dominadas pela amnésia.
            Já em 1959, o médico, professor, poeta e folclorista Théo Brandão escreveu na apresentação do livro, do também saudoso pesquisador e historiógrafo Félix Lima Júnior, “Maceió de Ontem” – 1º volume, um prefácio que as atuais e futuras gerações, deverão ler – se isso acontecer – com natural espanto.
            Théo Brandão fala daquela incrível e hoje desconhecida cidade, “que vem paulatinamente desaparecendo” como a Maceió do “Grande Ponto”, das Chapelarias de José Maria e dos Gerbase, da “Porta do Sol”, da “Porta da Chuva”, dos tamarindos da praça São Benedito, dos Pavilhões de madeira da praça da Catedral, dos trapiches de Jaraguá, da Ponte de Desembarque, dos botes e alvarengas do velho Porto, do telégrafo semafórico da encosta do morro do Farol, das saídas do Santíssimo, das ruas alcatifadas de folhas de pitangueiras e das janelas dos sobradões adornadas de colchas e tapetes nos dias de procissões, dos maracatus, dos bondes da Catu e depois da CFLNB, das cavalhadas em Bebedouro, do porto de lanchas, das festas de Natal do Major Bonifácio, do Tiro Alagoano, dos sorvetes da Santa Laura, das retretas da praça Deodoro, das manhãs domingueiras na avenida da Paz, das corridas de cavalo no Hipódromo, dos banhos no Catolé, das caçadas de nambus e pacas na lagoa da Anta, da praça de carroças e dos negros de ganho na “Quatro Cantos”, algumas dessas lembranças acrescentadas por nós.
            À medida que vamos recordando essa Maceió tão doce e tão humana, sentimos avivar dolorosa saudade de tudo que passou e foi transformada ou destruída pela insensatez, insensibilidade e burrice de alguns inconsequentes inovadores, despreparadas “autoridades” ou eventuais aventureiros que pensaram se perpetuar, na memória da cidade, Omo modernos “administradores”. Coitados!
            E nos perguntamos se daqui a cinquenta anos haverá um outro Théo Brandão, outro Félix Lima Júnior, outro Moacir Medeiros de Sant’Ana ou ainda outro Ednor Bittencourt..., para recordar a cidade, hoje. Com os seus jornais, suas estações de rádio e televisão, o seu trânsito já caótico, a pobreza do povo no vestir, no comer e no divertir, as transformações descaracterizadas e a expansão desordenada da cidade, o comércio deste tempo, os bancos, os nossos cemitérios, os nossos logradouros, atuais hábitos, costumes e modos, novas escolas, hospitais e esquemas financeiros, governos e desgovernos, imagem pública e opiniões sobre a falência dos políticos e da politicalha mesquinha, seus períodos desastrosos, raras atitudes dignas de exemplos, enfim toda uma paisagem que precisa e deve ser registrada para conhecimento futuro. Talvez assim, como painel de estudos e avaliações, possamos dizer aos jovens do porvir o que não fazer e o que não admitir aos outros fazerem.
            Quando em 1981, criamos o Museu da Imagem e do Som, da Funted, tivemos em mente colaborar com o trabalho já desenvolvido com tanto emprenho e imensas dificuldades, pelo Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas e Arquivo Público Estadual. Pensamos que o novo organismo, Museu “vivo” das ocorrências de nossa cidade, no presente, pudesse despertar no seio da sociedade, mas também e necessariamente no cerne do governo, a responsabilidade com a manutenção dos materiais adquiridos e entregues ao Estado, além da coleta, triagem e catalogação de milhares de acontecimentos da nossa história e do nosso cotidiano, em todos seus aspectos e interesses comunitários. Infelizmente tal não ocorreu. O acervo de milhares de fotos, documentos, pesquisas, gravações, filmes, reproduções e objetos, segundo fomos informados, continuam sujeitos à ação do tempo, incorreção do manuseio e consulta, além da falta de condições na conservação do material. Não por culpa do pessoal, mas da entidade oficial que não tem como contornar o problema. Uma lástima. Junta-se assim, ao Arquivo, o Museu da Imagem e do Som na sua penúria e desespero.

                                                                                  

Fraude na Assembleia Provincial


O que se poderia chamar de grupo político avançado à época ingressa em uma frente a ser abrigada na Sociedade Federal que, inclusive, antes da cisão de suas alas passa a ter acentuada influência na discussão dos negócios de estado; é pouco o seu prestígio, coisa de dois a três anos, dela restando, dentre outros pontos, o nascimento da imprensa em Alagoas, com a criação do Iris Alagoense. E ela nasce, portanto, politicamente engajada. Luiz Sávio de Almeida


Fraude assembleia provincial  (III)


Um universo em choque

Como se pode verificar, o choque entre as facções é praticamente permanente e armado de 1817 até 1830; são 13 anos onde o alinhamento político senhorial sempre esteve aceso e em busca de afirmação de um dos grupos, mas, por outro lado, amadurece, nos acontecimentos da Abdicação, o surgimento de conjuntos de pessoas diferençados e precursores da partidarização, que somente ficará clara com os Lisos e Cabeludos.

O fato mais importante deste período é que se tem o aparecimento de instituições políticas que estavam envolvidas não mais com os problemas diretos do poder local, mas com o que poderia estar acontecendo com a formação de um país. Grupos como os colunas procuravam reatar os laços coloniais e outros buscavam a permanência da Independência, com alguns mais radicais pensado na questão dos escravos e na republicana.

O que se poderia chamar de grupo político avançado à época ingressa em uma frente a ser abrigada na Sociedade Federal que, inclusive, antes da cisão de suas alas passa a ter acentuada influência na discussão dos negócios de estado; é pouco o seu prestígio, coisa de dois a três anos, dela restando, dentre outros pontos, o nascimento da imprensa em Alagoas, com a criação do Iris Alagoense. E ela nasce, portanto, politicamente engajada.

Ao longo da Cabanada, a Federal já havia perdido sua posição de alta influência no jogo político. E neste caminho, a vida política de Alagoas havia voltado para o que lhe era proverbial: o trato acentuado do poder local e o modo de ir fazendo, no dia a dia, o choque entre facções. A Cabanada praticamente coloca o governo em prontidão militar, mas os pequenos golpes continuam. Ela com toda a luta do sistema contra os pobres da mata não impede que os interesses locais continuem opondo frações, ocasionando, aqui e ali, tumultos.

Pelos relatos, não foram fáceis politicamente, os dias acercados à notícia oficial da Abdicação, que fora trazida por navio aportado em 30 de abril e seria natural que o Conselho fosse pressionado a atuar contra portugueses, conforme foi solicitado em abaixo assinado por diversos cidadãos. Era sinal de que se desejava realinhar cargos e riquezas. Antigas alianças seriam quebradas e a tendência seria considerar todo e qualquer português como inimigo público e, então, o que já vinha sendo conflituoso ganha em intensidade.

As acomodações seriam constantes mas, ao mesmo tempo e não é possível rastrear como,  vai sendo consolidado um grupo político que está no poder, devendo ser visto que, durante um bom período, a administração provinciana esteve em mãos de pessoas que eram dela naturais, o que começa por doença ter afastado a Vicente Thomaz Pires Figueiredo Camargo, substituído pelo Reverendo José de Souza Machado que era do lugar do Poxim,  que passa a Manoel Simões Costa, retorna e passa para João Camilo de Araújo.     Nesta oportunidade e sob Camargo são eleitos os deputados gerais, no que se conta três padres, sendo um deles José Vicente de Macedo que será assassinado e era vigário de Atalaia.

Quando José de Souza Machado, o pároco do Poxim, estava na presidência do Conselho Provincial é que surge a Lei de 12 de agosto de 1834 que determinava as eleições para a Assembleia Provincial, substituindo o Conselho e isto redundaria, dentre outros pontos, em novas formas de pronunciamento senhorial sobre o universo político. Este seria um dos fatores de modernização do sistema, dando maior poder local de expressão, mas, na realidade, era um modo de fazer com que a forma nova respondesse pelos velhos arranjos que se dariam dentro de um processo que se fazia vicioso e viciante desde as qualificações de lastro paroquial.

Com base em lei de 12 de outubro de 1832, a Constituição foi mudada e os novos termos postos na Lei nº 16 de 12 de agosto de 1834 e que terá interpretação de artigos em outro diploma legal:  Lei nº 105 de 12 de maio de 1840.  Na Lei nº 16 dentre as mencionadas, ficava esclarecido que cada província teria, substituindo o Conselho, uma Assembleia Legislativa Provincial para a qual, em Alagoas, seriam eleitos 28 membros, oito a menos do que o estabelecido para Pernambuco, Bahia, Minas, Rio de Janeiro e São Paulo. Alagoas era, então, vista na mesma escala de Pará, Maranhão, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Sul, todas na mesma quantidade de deputados.

A eleição deveria ser simultânea com a dos deputados gerais e, obrigatoriamente, pelos mesmos eleitores significando que a qualificação para uma era válida para a outra. Os eleitos poderiam ser votados nas subsequentes, o prazo de mandado era de dois anos e tão logo a lei fosse publicada, deveriam ser realizadas as eleições  nas diversas províncias e, com isto, ter-se-ia um período legislativo que terminaria em 1837. A primeira reunião seria obrigatoriamente realizada na capital da Província e, portanto, seria na cidade das Alagoas. A sessão anual duraria dois meses, o que poderia ser prorrogado. A competência era um rol imenso e muitos ponteavam regulamentações junto à ordem do poder local. Era uma idealização de relações que não poderia ser efetivamente realizada.

Mas estava, aí, um Conselho substituído por uma Assembleia e que, basicamente, seria eleita pela mesma condição política que prevalecia antes: homens bons filtrados paroquialmente, estreitados nos rumos de poder local. Um poder local que sempre trouxe desafios à paz provincial e que tinham nos pobres guardas a própria bucha de canhão. É proverbial uma correspondência endereçada por um Juiz de Paz, datada  do acampamento da Barra Grande a 24 de junho de 1833.  No caso era tempo da Cabanada ou da Revolta do Jacuípe como era também chamada e a correspondência é desesperada: eles andavam a um ano no campo[i], expostos a tudo e inclusive à morte... O que estaria acontecendo às suas famílias? Sempre as lutas dos generais escondem seus soldados, como viu Thompson gerando a history from bellow.

Imagine-se o que se passava do lado dos insurgentes, como em carta a Hipólito Barcelar. Antônio Timóteo de Andrade[ii], assinando como Comandante das Forças em Panellas, queixava-se de estar praticamente a dois meses sem cartuxame, sem apoio de homens, em situação miserável. A Guarda Nacional com seus altos  oficiais passariam muito menos mal do que seus guardas engajados e mobilizados para uma luta onde não se encontravam e daí as deserções que eram muitas.

A Guerra dos Cabanos será debelado e depois volta para ser ligeira nos entornos de 35. Os motivos que fizeram a política ter novos rumos nos dias da Abdicação e começos da Regência envolveram a disputa política em outro patamar que não sepultou, mas mascarou os confrontos intrassenhoriais retornados quase imediatamente e pós cabanada, se bem que tenha havido conspiração em pleno desenvolvimento da luta, da guerra.  O Presidente da Província teve de regressar às pressas, correndo o boato de conspiração, mas tudo vai se destacar em direção a 1835, quando se dá as eleições para a Assembleia Provincial.

As eleições de 1835

Há uma oscilação no mando provincial, durante a Presidência de Vicente Thomaz Pires de Figueiredo Camargo. Narra Espíndola que ele, em razão de estar doente, passou o comando provincial ao Conselheiro José de Souza Machado que era vigário do Poxim; ele esteve no comando durante dois meses e 20 dias (de 11 de agosto a 31 de outubro de 1834). É neste período que surge a Lei de 12 de agosto de 1834, tratando da extinção dos Conselhos.

Nada temos de informação circunstanciada sobre o momento político em Alagoas e nem como se dava a relação interna de poder entre os membros do Conselho, mas ele,  sem dúvida, tinha um nome forte. Alguns minimizam o nome de Manoel Simões da Costa, mas ele era um 2º Conselheiro e não era a sua posição em Atalaia o que demarcava a sua possibilidade de conchavos e de acordos, somando-se uma facção do círculo daquele município integrado a Alagoas.

A historiografia tradicional do tipo que deriva de Espíndola, desqualifica a figura de Manoel Simões. Ele, durante seu mandato, teria sido um fantoche manobrado, sobretudo, pelos interesses senhoriais de Atalaia. O fato é que se dá uma reação das Câmaras das outras localidades. A eleição havia sido realizada concomitantemente à para a deputação geral e seus resultados aprovados. No entanto, o que se referia à Assembleia seria contestado, basicamente por um grupo formado por um Juiz de Direito, um Major de Ordenanças e um Inspetor da Tesouraria; eles estarão unidos às forças dos Sinimbu que se posicionavam em São Miguel dos Campos
.
 È daí que vem a presença armada e a pressão que vai ser feita em Alagoas. Alagoas é ocupada por 200 homens armados e esperava-se mais homens vindos de outros pontos da Província. A eleição foi em outubro  e a reação das Câmaras toma corpo  pelos começos de novembro. Isto demonstra uma extraordinária rapidez de reação e, possivelmente, a falta de avaliação de força por parte especialmente do circulo de Atalaia. Estamos diante de mais uma dos movimentos armados que foram montados na história política provincial e que tomava Alagoas como palco, o que se deve ao fato de ser a capital da Província[SA1] .

É possível que o Conselho tem avaliado de forma equivocada, a sua liderança no processo, dando propriedade desusada às forças aglutinadas em torno de Atalaia e de Alagoas, como se as duas Câmaras estivessem fazendo parte do mais alto comando senhorial, cruzando diversas fronteiras territoriais de mando local. Tudo leva a crer que tenha sido um golpe engendrado por conservadores, como se pode verificar pela reação do que será a fração Sinimbu.

A reação formal da Câmara da Vila de São Miguel ocorre a partir de representação assinada a 12 de novembro, pedindo que fosse realizada uma nova eleição; ela foi endereçada a Manoel Simões da Costa, mencionado como vice-presidente. A Câmara se diz cerceada em seus direitos e que tinha conhecimento de que outras também se queixavam de manipulação eleitoral. Dava-se na eleição, algo que sempre foi comum e motivo de queixas e mais queixas: a ocultação da ata das eleições. Textualmente afirmava:

[...] constando a esta Câmara que alguns outros colégios deixaram de exercer sua soberania por motivo idêntico, tirando-se votos àqueles que obtiveram maioria nos colégios [...] que a maioria do colégio de Maceió o deixou de exercer pelo direito que se arrogou a Câmara dessa cidade reservando para si primitivamente o conhecimento da nulidade daquele colégio, reconhecido o legítimo e legal no orbe Alagoano; que o colégio de Porto Calvo [...] deixou igualmente de oferecer-nos o seu nobre contingente na representação provincial, por se haver macado o dia 15 de outubro e aquela Câmara recebido o ofício da convocação no dia 12 ...[iii]

Ai estavam relacionados elementos da fraude no resultado. Um deles seria não considerar resultados que eram legítimos; outro consistia e dar sumiço ao material legal e finalmente o comunicado das eleições em prazo que deixava câmaras incapacitadas. O resultado:

A representação provincial veio portanto a recair somente em pessoas de Atalaia, nomeadas por aclamação de si mesmas, e de indivíduos tais que somente desta arte fariam conhecidos seus nomes; em pessoas [...] eu além [...] de não terem sido votadas em ponto algum da província são faltas de luzes e de curtas qualidades [...][iv]

As eleições deveriam ser anuladas e isto era pedido sob a ameaça de consequências  funestas. Anadia protesta no dia 21 de novembro, trazendo à baila a manipulação dos qualificados, substituindo-se quem não era partidário. A Câmara de Anadia mencionava Porto Calvo, Maceió e a todos processo eleitoral afirmava ter sido um “atrevido e escandaloso furto”. E a ameaça vinha plena do senso senhorial de controle político[SA2] :  “Anadia tem em si heróis e coragem para fazer cumprir e respeitar as leis[v].”

Anadia esteve em contato direto com Penedo; em menos de um mês estava articulada uma forte reação. Não é possível pensar que Atalaia havia feito toda a manobra sem julgar-se necessariamente com aliados; algo deve ter falhado. Porto de Pedras também oficia ao Conselho em correspondência de 19 de novembro, falando em vergonhoso monopólio[vi] e pedindo na anulação e convocação de outra eleição.
Penedo  realiza uma sessão extraordinária em 18/11/1834  a bem dizer solenizada, com a presença do Juiz de Direito, o Juiz de Paz, o Juiz Municipal e o Tenente Coronel que era o comandante da Guarda Nacional; fala-se a usurpação, menciona-se os casos de São Miguel dos Campos,  Porto Calvo e Maceió. Os argumentos, trechos da ata demonstram que houve um amplo entendimentos na redação de alguns dos protestos.

O Conselho entra em sessão na tarde do dia 18 de novembro de 1834, na presença do advogado João Camilo de Araújo e todos os demais eram conselheiros suplentes, demonstrando que não se procurou marcar uma discussão sobre o problema, na presença dos titulares.   Ao que tudo indica, havia presença de força armada na Cidade das Alagoas, tanto que o documento fala de Câmaras e que estavam reunidos tropa e povo. Possivelmente em face da pressão política sobre o Conselho, não se permite a presença de Simões na direção dos trabalhos e nem a de dois outros Conselheiros por suspeitos: Vicente de Miranda e Albuquerque Titara. Camilo de Araújo fica na presidência até que compareça o vigário do Poxim e Vice-presidente: José de Souza Machado. Camilo de Araújo é legalista e afirma ser contrário a proceder-se a nova eleição, pois não haveria qualquer apoio legal e que seria prudente aguardar o posicionamento do governo central. Este era o principal item de quatro reivindicações que foram postas e interrelacionadas[vii]. Estava reconhecida a existência da fraude.

O grupo de Simões não tinha força suficiente ou não desejou maior enfrentamento. Estava em Taperaguá, restando atravessar rapidamente o Niquin, uma força de 200 homens,  no que se teve a presença da Câmara de São Miguel, vizinha à Cidade das Alagoas. Isto foi no dia 16; no dia 17 chegava o mais da tropa vinda de Maceió, do Pilar, da Vila do Norte e mesmo de Atalaia, conforme narra Espíndola. A reunião do Conselho, conforme mencionamos foi no dia 18 de novembro e as novas eleições transcorreram no dia 15 de janeiro de 1835.  De trágico, como menciona o mesmo Espíndola, teve-se o  assassinato do deputado geral reverendo José Vicente de Macedo, fato que se deu antes de se fechar este contra golpe. Sempre Atalaia foi um foco de confronto entre facções e o vigário some neste universo de confronto. Dizia-se ter sido Macedo, quem havia arquitetado a fraude. Morreu em uma emboscada. Comenta Espíndola, que mais uma vez Atalaia ficou vazia, os povos com receio do que poderia acontecer.

Claro que o assunto teria de ser encaminhado ao governo central e que seria abordado pelo Ministério da Justiça que, em relatório apresentado à Assembleia Legislativa Geral, qualifica como uma grande desordem. Somente foram eleitos, quem pertencia a uma determinada cabala e tudo havia sido dirigido por suma sociedade intitulada Fraternal e que existia na Vila de Atalaia: roubaram urnas, falsificaram

O Ministro Manoel Alves Branco lança o fato de que os Juízes de Direito estariam envolvidos:
Estes fatos corroborados com a ideia de nenhuma esperança de recurso na mesma Assembleia, composta quase toda dos chefes da cabala, irritou tano os espíritos que prorromperam em uma grande sedição. Em dias de novembro foi a capital das Alagoas invadida por gente armada de todas as comarcas, tendo à sua frente os juízes de direito, que parecem ter sido os chefes mais influentes do movimento. O Vice-Presidente, a cujo desleixo se atribuiu o triunfo dos contrários, foi demitido; os conselheiros do governo, e outras autoridades civis e militares, suspensas; as primeiras eleições anuladas, substituindo-se todos estes funcionários por gente da parcialidade da nova facção triunfante, e assinando-se diversas pessoas,  entre as quais se distingue o Deputado à Assembleia Geral, o Reverendo Vigário José Vicente Macedo[viii].

Limpo de Abreu, também Ministro se refere aos acontecimentos de novembro de 1834:
Segundo as participações da Província das Alagoas, não pode reputar-se muito consolidado ali, o sossego público. Vós fostes informados em o ano passado da desordem que em novembro o mesmo ano teve lugar naquela Província pela ocasião das eleições dos membros a Assembleia Legislativa Provincial e os papeis e documentos relativos a este assunto foram-vos presentes com as providências que o governo julgou a propósito,  acertado expedir. Nenhuma decisão definitiva se tomou ainda a tal respeito...[ix]

Limpo Abreu fala na continuidade da contenda, mas não  é claro, comentando ramificações da fraude e a dizer que o ambiente não estava em paz:
Os juízes de direito foram os que dirigiam o partido e se puseram à testa do movimento de novembro: é contra eles que agora principia a aparecer a reação. Com o fundamento de ter-se recusado ao cumprimento de ordens de habeas corpus, passadas a alguns criminosos de morte pelo Juiz Municipal da Capital, foi por este denunciado o Juiz de Direito da Comarca das Alagoas, e pronunciado pelo referido Juiz de Paz.  Contra o Juiz de Direito da Comarca de Penedo tem o Presidente recebido muitas queixas, e representações, e clamores se levantam ali de estar a administração da justiça entregue nas mãos de uma só família, em razão de serem irmãos dois dos referidos Juízes de Direito, e os outros dois cunhados destes. Estas insinuações podem ter consequências desagradáveis, se no forem obstadas a princípio, e infelizmente nem remoção dentro da mesma província...

            A primeira reunião da Assembleia foi realizada ainda em 1835 e a primeira Falla será pronunciada pelo Presidente Machado d’Oliveira[x] que falará sobre o confronto político, apesar de ser estranho aos episódios que se verificaram.  Possivelmente no sentido de minimizar as arestas que restaram, afirma que foram poucas as consequências e que estava tudo em seus devidos lugares. Novamente vem a intenção de fazer com que as situações de confronto em Alagoas sejam apenas momentâneas, surgem e desaparecem numa extraordinária velocidade. No entanto, ele também estará condenando o que chama de um partido que manejou a fraude eleitoral, indicando que haveria uma incômoda posição para os que urdiram a cabala de Atalaia.

É um longo trecho em uma pequena Falla, como se fosse necessário dar um recado e anunciar a excelência dos eleitos, pois afinal de contas, os ajustes políticos haviam carreado os homens que se considerava capazes, como se o universo senhorial tivesse coedições de ser subdividido entre bons e maus. Então, esta nova Assembleia seria composta por iluminados públicos, numa espécie de purificação da disputa política. Estava posta, praticamente, uma regra de três: resolvida a fraude, resolvido o futuro.

O assunto da nova eleição e da fraude de 1834  é tratado na Falla de 1836, pronunciada pelo Presidente Antônio Joaquim de Moira. Ele remete ao que chama de comoção pública acontecida em 18 de novembro em Alagoas e ao fato de que as novas eleições foram legítimas. A ponderação havia sido realizada na sessão de 15 de março de 1835. Ela começa, portanto, por aceitar-se legítima.






[i] Juiz  de Paz. Correspondência endereçada à Presidência da Província, datada do Acampamento da Barra Grande a 24 de junho de 1833. Maço 15, Estante 15, Caixa 4. Revolta do Jacuípe. Arquivo Público de Alagoas.
[ii] ANDRADE, Antônio Thimoteo. Correspondência de Antônio Thimoteo Barcelar, Comandante das Forças em Panelas, endereçada à Hipólito Barcelar, datada de Panelas a [Ilegível]. Maço 15, Estante 15, Caixa 4. Revolta do Jacuípe. Arquivo Público de Alagoas.

[iii] SILVEIRA, Bonifácio. Patrimônio histórico. Protesto da Câmara de São Miguel sobre a eleição de 1834. Gazeta de Alagoas. Maceió, 19 jan. 1941, p. 2
[iv] Idem.
[v] SILVEIRA,  Bonifácio. Patrimônio Histórico. Protesto da Câmara de Anadia. Gazeta de Alagoas. Maceió, 16 jan. 1941, p. 2.
[vi] SILVEIRA,  Bonifácio. Patrimônio Histórico. Protesto da Câmara de Porto de Pedras sobre a eleuição de 1834. Gazeta de Alagoas. Maceió, 12 jan. 1941, p. 2.
[vii] [vii] SILVEIRA,  Bonifácio. Patrimônio Histórico. Protesto do Conselho de Governo sobre as eleições de 1834. Gazeta de Alagoas. Maceió, [...] p. 2.

[viii] BRANCO, Manoel Alves.  Relatório da Repartição dos Negócios da Justiça apresentado à Assembleia Geral Legislativa na sessão ordinária de 1835, pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado Manoel Alves Branco. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1835, p. 13.
[ix] ABREU, Antônio Paulino Limpo de.  Relatório da Repartição dos Negócios da Justiça apresentado à Assembleia Geral Legislativa na sessão ordinária de 1836, pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado Antônio Paulino Limpo de Abreu. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1836, p. 11.
[x] OLIVEIRA, Joaquim Machado de. Falla pronunciada em 15 de março de 1835.  Center for Research Libraries.


[xi] Juiz  de Paz. Correspondência endereçada à Presidência da Província, datada do Acampamento da Barra Grande a 24 de junho de 1833. Maço 15, Estante 15, Caixa 4. Revolta do Jacuípe. Arquivo Público de Alagoas.
[xii] ANDRADE, Antônio Thimoteo. Correspondência de Antônio Thimoteo Barcelar, Comandante das Forças em Panelas, endereçada à Hipólito Barcelar, datada de Panelas a [Ilegível]. Maço 15, Estante 15, Caixa 4. Revolta do Jacuípe. Arquivo Público de Alagoas.

[xiii] SILVEIRA, Bonifácio. Patrimônio histórico. Protesto da Câmara de São Miguel sobre a eleição de 1834. Gazeta de Alagoas. Maceió, 19 jan. 1941, p. 2
[xiv] Idem.
[xv] SILVEIRA,  Bonifácio. Patrimônio Histórico. Protesto da Câmara de Anadia. Gazeta de Alagoas. Maceió, 16 jan. 1941, p. 2.
[xvi] SILVEIRA,  Bonifácio. Patrimônio Histórico. Protesto da Câmara de Porto de Pedras sobre a eleuição de 1834. Gazeta de Alagoas. Maceió, 12 jan. 1941, p. 2.
[xvii] [xvii] SILVEIRA,  Bonifácio. Patrimônio Histórico. Protesto do Conselho de Governo sobre as eleições de 1834. Gazeta de Alagoas. Maceió, [...] p. 2.

[xviii] BRANCO, Manoel Alves.  Relatório da Repartição dos Negócios da Justiça apresentado à Assembleia Geral Legislativa na sessão ordinária de 1835, pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado Manoel Alves Branco. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1835, p. 13.
[xix] ABREU, Antônio Paulino Limpo de.  Relatório da Repartição dos Negócios da Justiça apresentado à Assembleia Geral Legislativa na sessão ordinária de 1836, pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado Antônio Paulino Limpo de Abreu. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1836, p. 11.
[xx] OLIVEIRA, Joaquim Machado de. Falla pronunciada em 15 de março de 1835.  Center for Research Libraries.


 [SA1]9552
 [SA2]2735+9552
 [SA3]9552
 [SA4]2735+9552